Aquisição de equipamento de respiração autónoma

24/04/2019

Na sequência publicação do Decreto-Lei n.º 69/2018, de 8 de agosto, foram incumbidas à ENSE novas competências no setor energético, nomeadamente toda a fiscalização do setor. Essas alterações impuseram à organização a readequação de recursos para garantir a execução da missão desta entidade.

Um dos desafios colocados à ENSE consistiu na reavaliação dos equipamentos de proteção individual (EPI) por forma a garantir, ao corpo inspetivo, as necessárias condições de intervenção nos mais diversos cenários, nomeadamente: acidentes, recolha de amostras em locais cujas influências externas sejam prejudiciais à vida humana (ex: inalação de gases como o metano, o propano, etc.).

E, porque nem todas as ações da ENSE são devidamente planeadas, no sentido de garantir as condições de segurança através da monitorização das condições do terreno para adaptar a sua resposta, verificam-se situações que, pela sua perigosidade, exigem a disponibilidade de equipamento especial para garantir a diminuição dos riscos durante a realização das operações.

Assim, e com o objetivo de tornar mais segura a atividade inspetiva da ENSE durante o primeiro trimestre de 2019, esta entidade pública procedeu à aquisição de dois equipamentos de respiração autónoma, por forma a disponibilizar meios de intervenção imediata em condições ambientais extremas.

 

Legenda: Inspetor da ENSE munido de um equipamento de respiração autónoma

 

Este equipamento é composto por máscara, garrafa de ar respirável e suporte para garrafa de ar. Tal como se pretende para este tipo de equipamento, garante-se uma máscara com elevado campo de visão, uma garrafa de ar com um peso adequado às exigências de mobilidade e autonomia nos trabalhos, e um suporte para a garrafa que, para além da ergonomia, garanta a proteção à garrafa, aos respetivos conectores, e a existência de um manómetro para verificação das condições de autonomia do sistema.

O investimento na capacidade operacional da ENSE E.P.E é mais um exemplo de compromisso com a sua missão, por forma a garantir maior operacionalização, segurança e intervenção em todo o setor energético.