ENSE disponível para mobilizar Reservas de Crude caso disrupção de crude na Arábia Saudita se prolongue

16/09/2019

Fonte: Stringer/Reuter

 

Durante o fim de semana, a principal instalação de produção de petróleo na Arábia Saudita detida pela companhia de petróleo Aramco foi alvo de ataque por parte de drones, o que obrigou à paragem da laboração de cerca de 5,7 milhões de barris diários que corresponde a cerca de metade da produção saudita e a 5% da oferta global desta matéria-prima.

Esta situação tem gerado uma reação em forte alta dos principais mercados internacionais do petróleo, numa altura em que se avaliam ainda os impactos que esta disrupção do lado da oferta poderá ter na capacidade de abastecimento do mercado internacional. Deste modo, os mercados abriram com subidas de mais de 10% nas cotações do crude, aguardando-se com expetativa a evolução dos acontecimentos, sobretudo, da duração da paralisação desta fatia fundamental na produção saudita (e apesar das autoridades deste país estarem a anunciar que tentarão retomar aos poucos a produção num espaço de poucos dias).

No entanto, percebendo que esta situação tem impacto imediato sobre os preços do petróleo nos mercados, os EUA anunciaram de imediato que irão disponibilizar parte dos seus stocks para assegurar que não faltará produto no mercado e procurando garantir assim uma acalmia na evolução das cotações desta commodity. Para além disso, é de prever que o mesmo seja feito pela OPEP, nomeadamente revendo os seus níveis de produção efetiva pois existe capacidade instalada para incrementar maiores volumes de produção para substituir, mesmo que temporariamente, esta parte importante da oferta da Arábia Saudita.

Face a este contexto de resposta das principais fontes de oferta mundial de petróleo, e logo, não sendo de prever que exista nenhuma ruptura do lado da oferta, poderá registar-se no curto prazo uma subida das cotações grossistas que terão efeito nos preços dos combustíveis nas próximas semanas.

É importante destacar neste momento que, caso o impacto sobre a oferta seja persistente e os operadores que importam petróleo para Portugal tenham alguma dificuldade temporária para obter crude, o país, através da ENSE dispõe de reservas estratégicas que podem ser mobilizadas para suprir essa falta eventual, tendo esta entidade à sua disposição 538,1 mil toneladas de crude em reservas físicas e 373,5 mil toneladas em tickets que representam direitos de opção sobre crude armazenado em Portugal e noutros países da União Europeia. Estas quantidades estão à disposição da ENSE para mobilização imediata, caso se entenda necessário.