ense_logo republica_portuguesa_logo

Nivel de risco

Amarelo
Existência de indícios de possíveis problemas que possam afetar significativamente o sector petrolífero. A probabilidade de se tornar uma ameaça real é baixa, mas deverá existir uma monitorização contínua da situação.

Causas:
Declaração de Estado de Calamidade - Encerramento Temporário da Produção de Combustíveis na Refinaria de Matosinhos. ENSE assegura monitorização contínua do normal funcionamento do Sistema Petrolífero Nacional.

A evolução das vendas de combustíveis rodoviários em maio de 2020

23/07/2020

O surto pandémico gerado pelo coronavírus teve um efeito de natural contágio sobre os níveis de atividade económica e social da sociedade portuguesa, com consequências recessivas que resultaram das decisões de declaração de estado de emergência e, logo, das opções de confinamento que daí resultaram. Este cenário que ocorreu à escala global, teve também grande impacto na economia nacional, com baixa dos níveis de produção, movimentos de circulação automóvel e com redução significativa em setores chave do nosso tecido empresarial.

Como era expectável, o setor petrolífero nacional, que tem uma correlação muito direta com os níveis de atividade económica, sofreu de forma clara os efeitos deste cenário extraordinário e excecional, com reflexo nas vendas de combustíveis rodoviários nos postos de abastecimento. Isso mesmo foi evidente na análise efetuada pela ENSE às vendas nos meses de março e abril de 2020, e procura-se agora perceber como evoluiu a situação no mês de maio de 2020, com a particularidade de se tratar do período em que foi decidido iniciar-se a fase gradual de desconfinamento.

Assim, os valores registados de vendas de combustíveis rodoviários nos postos de combustíveis em Portugal no mês de maio de 2020 (em litros) foram:

Vendas em Postos de Abastecimento (litros)
Produtos Maio de 2019 Maio de 2020 Variação Homóloga
Gasóleo Simples 199 656 223,52 142 488 700,33 -28,63%
Gasóleo Aditivado 118 270 037,23 88 918 284,43 -24,82%
Total de Gasóleo Rodoviário 317 926 260,75 231 406 984,76 -27,21%
Gasolina Simples IO 95 67 940 648,99 46 330 357,62 -31,81%
Gasolina IO 95 Aditivada 25 669 465,35 17 552 401,50 -31,62%
Gasolina IO 98 2 919 834,41 2 832 145,11 -3,00%
Gasolina IO 98 Aditivada 4 425 215,42 4 211 039,40 -4,84%
Total de Gasolina Rodoviária 100 955 164,17 70 925 943,63 -29,75%
Total de Vendas de Combustíveis Rodoviários 418 881 424,92 302 332 928,39 -27,82%

Deste modo constata-se que continua a verificar-se uma variação homóloga negativa face aos valores de maio de 2019, ao atingir -27,82%, mas uma clara recuperação face ao verificado em abril que tinha registado uma descida homóloga total de -49,82%.

Se analisarmos os números totais de vendas de gasóleo e gasolina rodoviárias entre março e maio de 2020 face ao verificado no mesmo período de 2019, é bem vísivel a mesma trajetória de contração e recuperação entre o momento da decisão de confinamento e de progressivo aliviar das medidas restritivas de circulação e atividade.

 

Vendas em Postos de Abastecimento (litros)
Total de Gasóleo Rodoviário 2019 2020
Março 307 061 092,91 243 390 705,93
Abril 304 944 207,54 157 880 060,45
Maio 317 926 260,75 231 406 984,76

 

 

 

Vendas em Postos de Abastecimento (litros)
Total de Gasolina Rodoviária 2019 2020
Março 99 199 198,37 74 553 831,92
Abril 96 169 634,10 43 393 616,47
Maio 100 955 164,17 70 925 943,63

 

 
 

Fonte: Balcão Único da Energia, ENSE

 

Estes dados mostram que após o período mais crítico de confinamento, tem existido um retomar gradual das atividades pessoais e profissionais das pessoas e das empresas, que resulta numa maior necessidade de consumo de combustíveis rodoviários, tendência de recuperação que se espera continue a manter-se nos próximos meses, apesar do temor em relação a novas ondas deste surto e que pode voltar a condicionar, pelo menos de forma localizada, o dia-a-dia do país.
A ENSE vai continuar a monitorizar a evolução destes indicadores importantes sobre o funcionamento do setor petrolífero nacional, que são reflexo direto da evolução da nossa economia.